Como formar networking para leigos

Networking Profissional: o guia completo para leigos

Compartilhe este artigo:

Você já deve saber que Networking Profissional significa rede de relacionamentos. E o quão importante para o seu sucesso é formar um networking profissional, será que você já conseguiu dimensionar?

Quer um exemplo do poder do Networking? Uma pesquisa que foi feita em 2014 nos Estados Unidos mostrou que 63% dos profissionais que conseguiram mudar para um emprego ou posição melhores conseguiram isso graças à indicação de um conhecido.

Quanto mais se expande o seu networking profissional para além das fronteiras das instituições da qual você faz parte (escola, faculdade, igreja, empresa etc) mais aumentam as suas chances de conseguir melhores oportunidades para a sua vida profissional.

Por isso, considere seriamente desenvolver as suas habilidades de construir networking do jeito certo. O artigo de hoje quer dar uma mãozinha para você. Bora “networká”?

O que é networking profissional?

O termo “networking” vem da junção de duas palavras do inglês: net (= rede) e working (= trabalho, trabalhando). Networking é, portanto, uma rede de relacionamentos com propósitos profissionais. Portanto falar em “networking profissional” é um pleonasmo. Vou parar com isso agora, rssss.

O que diferencia um bom networking de um mau networking é que no bom as pessoas da sua rede estão dispostas a ajudar e colaborar com você no seu dia a dia, e não só em momentos de emergência.

Se você pensou na máfia, pensou na direção certa. Networking lembra de forma distante o funcionamento da máfia, onde os participantes da rede compartilham interesses profissionais e podem também ter vínculos com você.

Networking = Ajuda mútua

Por que o networking é tão importante?

Simplesmente porque as boas oportunidades não caem de repente no seu colo, vindas do nada. Pelo contrário, as boas oportunidades são trazidas até você pelas pessoas. Especialmente as pessoas que conhecem você.

Como já comentado acima, 63% de novas colocações são originadas pelo “QI” do candidato (e não estou falando aqui do “quociente de inteligência”, mas sim de algo muito mais poderoso: o “Quem Indica”).

O fato de ter pessoas que possam endossar (= assinar embaixo) seus talentos e suas capacidades faz aumentar, e muito, a sua credibilidade e autoridade perante seus pares e potenciais empregadores.

Além disso, conversar com outras pessoas, especialmente pessoas em sua área profissional, o ajudará a manter-se informado sobre novidades, sobre avanços e também sobre qual é a situação do mercado em que você atua.

Networking pode também ser comparado a uma apólice de seguros. Você adquire e compra uma apólice de seguros na esperança de não precisar usar, mas se precisar, você ficará satisfeito por tê-la adquirido. Construir um bom Networking dá trabalho e exige foco e dedicação. Mas na eventualidade de uma emergência profissional, você vai ficar contente por poder contar com esse recurso.

Quais são os erros mais comuns quando o assunto é Networking?

Erro 1 – Começar na hora errada
Alguns só se preocupam em começar a criar a sua rede em momentos de necessidade, justamente quando precisariam que elas já estivessem funcionando (por exemplo, quando em busca de uma recolocação no mercado de trabalho).

Saiba que formar um networking é um projeto de longo prazo. E, obviamente, é melhor começar o quanto antes. Inicie a construção de sua rede profissional tendo em vista aquilo que você deseja para o seu futuro e objetivando agregar pessoas que podem te ajudar a conquistar seus objetivos.

Erro 2 – Vampirismo
Um vampiro é um sujeito que só quer tirar, “sugar” sua rede. Em outras palavras, só pensa em ser ajudado, mas nunca se dispõe a ajudar e contribuir de volta.

Há uma grande diferença entre uma relação interesseira e uma relação resultante de interesses.

Fazer networking baseia-se essencialmente na troca de informações e de conhecimentos, que traz benefício mútuo para todas as partes envolvidas.

Assim sendo, procure ajudar antes de ser ajudado. Faça-se conhecido e memorável, mostre valor agregado (pense no que você tem a oferecer). Seja útil, seja ético, jogue o ganha-ganha com as pessoas que formam a sua rede.

Erro 3 – Pensar que quantidade é sinônimo de qualidade
Ter centenas de contatos em uma rede social como o Facebook e o Linkedin, pode não ser tão útil assim para você. Será que esses contatos realmente conhecem você e sabem do seu valor? Será que essas pessoas estão mesmo dispostas a ajudá-lo?

Idealmente as pessoas em sua rede devem se tornar seus amigos e não apenas nomes ao lado de rostinhos sorridentes na internet. Tenha certeza de que você pode contar com essas pessoas e de que elas também possam contar com você.

Utilize as redes sociais como ferramenta de contato e aproximação, e também de pesquisa sobre as pessoas (visite seus perfis). Mas lembre-se de que nada substituirá o falar pessoalmente com as pessoas, de forma presencial ou por telefone.

Veja este artigo sobre alguns cuidados básicos com as suas redes sociais, especialmente o Facebook.

Erro 4 – Deixar de nutrir e servir sua rede
Cultive a sua rede de relacionamentos. Mantenha as pessoas de sua rede por perto para intensificar o apoio mútuo e para aumentar as possibilidades de troca de informações e conhecimentos.

Compartilhe informações e noticias sobre seus interesses profissionais mútuos. Agende encontros regulares para discutir assuntos em comum.

Uma forma super simples de ser útil é servindo como um intermediário para as pessoas de sua rede. Facilite o contato entre aquelas que você julga que poderão se auxiliar mutuamente. Isso formará um vínculo de gratidão e elas passarão também a apresenta-lo a outras pessoas. O velho e bom ganha-ganha.

Como fazer Networking corretamente em Perguntas e Respostas

Atualmente tenho zero networking. Que devo fazer?
Uma boa maneira de iniciar é utilizar o meu modelo de quatro fases, que tem a vantagem de construir sua rede por meio de passos pequenos e confortáveis. Uma vez iniciada e estabelecida a sua rede, ela tende a se estender e crescer com o tempo.

Parece interessante. Quais são essas quatro fases?
A fase 0 é de conscientização e preparação. Consiste em entender a importância e a finalidade de se ter um bom networking, além de conhecer os erros comuns para evitar cometê-los (reveja a parte dos erros comuns acima).

A fase 1 é a de semeadura e convite. Consiste em revisar os contatos que você já possui, nos espaços que você frequenta. Liste dentre seus familiares, seus amigos, seus colegas de trabalho, pessoas que participam de cursos e de eventos com você, etc aqueles que possam ser úteis e que compartilham dos mesmos interesses que você. Convide-as formalmente para a sua rede profissional. Sim, as pessoas tem que saber que elas fazem parte de sua rede. E vice-versa. E concordar com isso também.

A fase 2 é a de crescimento controlado. Após estabelecer a sua rede inicial, procure expandi-la através do contato com os amigos dos seus amigos. Pesquise quem são as pessoas que seus contatos conhecem e que podem ser relevantes para a sua rede e solicite a ajuda deles para ser apresentado a elas. As redes sociais são uma boa fonte para a sua pesquisa.

Já a fase 3 é a fase de evolução e manutenção de sua rede. Aproveite para frequentar lugares onde você poderá conhecer pessoas diferentes. Ir sempre aos mesmos eventos limita o alcance do seu grupo de contatos. Varie. E tenha em mente que congressos, palestras e reuniões não são os únicos lugares para trabalhar seu networking. Bons relacionamentos profissionais podem também ser construídos fora do contexto formal, como por exemplo, durante um happy hour ou fazendo atividades de lazer.

Eu sou tímido. Apesar da minha dificuldade em abordar pessoas eu quero começar meu networking. O que você sugere?
Eu sempre digo que todos nós precisamos “gostar de gente”. Ter sempre disposição e vontade de conhecer outras pessoas e também deixar-se conhecer por elas. Claro que para quem tem vergonha ou timidez, isso geralmente é um desafio.

O primeiro passo é você reconhecer a importância que o networking terá para a sua carreira e o seu sucesso profissional. Convencer-se disso o ajudará e o motivará a superar suas limitações atuais em prol de seu projeto profissional e de vida.

Depois, “pegue o touro pelos chifres”. É a hora do que eu chamo de “abordagem de academia”. É hora para o tripé conhecimento – prática – repetição.

Conhecimento você já tem, graças ao artigo de hoje. Agora depende de você: pratique e persista na prática (como se estivesse frequentando uma academia) para incorporar o networking de forma tranquila e sem estresse no seu dia a dia.

Devora Zack, autora do livro “Networking for people who hate networking” (algo como “networking pra quem detesta networking”), aconselha mais ou menos a mesma coisa:

É preciso exercitar o incômodo para aprender a lidar com ele em vez de simplesmente ignorá-lo.Devora Zack

É o jeito dela de dizer “prática e repetição”.

Dê uma chance aos estranhos, que geralmente apresentam mais potencial que os conhecidos. Eles ainda não têm expectativas sobre você e nem cobranças. Às vezes, só o que você precisa é de 20 segundos de coragem para abordar alguém ou pegar o telefone para ligar para pessoas que te interessem. O “não” você já tem: basta não fazer nada. Faz sentido para você? Então aja, faça acontecer. Mas sem pressa, avance com passinhos pequenos. 🙂

Segui suas dicas e já fiz alguns contatos iniciais com algumas pessoas de meu interesse. Que devo fazer para não deixar esses contatos esfriarem?
Parabéns por agir no sentido de começar seu networking. É importante dar sequência em seus contatos. Só pra dar um exemplo, você poderia enviar uma mensagem dizendo que a conversa foi boa e relembrando algo que foi mencionado no papo. Isso ajuda a ser lembrado e dar continuidade na relação que se inicia.

Pesquise sobre os seus novos contatos nas redes sociais, como o Facebook e o Linkedin, para descobrir mais dados e saber mais sobre os interesses deles. Além de ser um recurso para os próximos encontros, isso também o ajudará a decidir se há potencial de ajuda mútua, e se vale a pena prosseguir no networking.

Compartilhe informações relevantes e úteis com seus contatos sempre que possível. Intermedie contatos entre pessoas. Auxilie quando solicitado. Parabenize nos aniversários e em momentos de sucesso profissional e pessoal. Marque encontros.

Existe algum truque ou técnica que facilite a construção de um bom networking?
Sim, existem alguns truques e técnicas que os mestres do networking utilizam. Enumero os principais a seguir para o seu conhecimento. Convido você a escolher um ou dois para ir aplicando nos próximos dias.

  • A bases do networking são formadas pelos interesses comuns entre as pessoas. Descobrir os interesses que você e o outro compartilham fará maravilhas pelo seu networking.
  • Providencie o seu cartão de visitas e prepare-se para guardar de maneira organizada os cartões que você receber das pessoas que for conhecendo. Tenha à mão um bloco de anotações e caneta para o caso de precisar anotar algo relevante durante ou após uma conversa.
  • Causar uma primeira boa impressão é fundamental. E todas as futuras impressões também! Saiba mais sobre a importância da gestão de sua marca pessoal neste artigo sobre branding pessoal da especialista Mariana Reis.
  • Habitue-se a fazer sua lição de casa antes de ir a eventos. Por exemplo: você está atualizado com relação ao tema do evento? Sabe quem serão as pessoas que estarão lá? Sabe quais são os interesses delas? Visite os perfis online dessas pessoas e identifique interesses comuns. Isso ajudará a conhece-las melhor e a socializar melhor.
  • Se, ao invés de ficar em casa, você escolheu ir a um evento, isso automaticamente significa que você decidiu ser educado e aberto a todos as pessoas presentes. Seja atencioso e cortês. Além disso, auxilie os recém-chegados às rodas de conversa, apresentando-os aos demais e esclarecendo qual o assunto que está sendo discutido.
  • Use o tempo dos eventos com proveito, para conhecer e entrar em contato com o maior número possível de pessoas. Para isso, é preciso policiar-se para não ficar conversando com apenas um ou dois interlocutores. Se precisar escapar de alguém, utilize algumas estratégias para “quebrar” uma conversa de forma elegante, como por exemplo, ir ao banheiro ou pedir licença para fazer uma ligação.

Conclusão

O objetivo de formar um networking é, antes de tudo, o auxílio mútuo. É uma oportunidade de fazer a diferença para os demais e também de ser visto e lembrado.

Espero que este artigo tenha colaborado para conscientiza-lo sobre a importância de iniciar e nutrir uma rede eficaz de relacionamentos.

Aproveite e deixe seus comentários e impressões a respeito do assunto de hoje.

E seu Netoworking, como vai?

FIQUE ATUALIZADO !
Insira aqui o seu email para receber gratuitamente as atualizações do blog!

Um comentário sobre “Networking Profissional: o guia completo para leigos

Deixe um comentário